Por se ter tido uma infância ruim, é correto ser criticado?

A crítica nunca é fácil. Aprender que os outros nos julgam é um dos mais desafiadores aspectos de qualquer vida.

No entanto, o impacto da crítica é extremamente variável – e depende em última análise, de um detalhe bastante inesperado:

Que tipo de infância nós tivemos? A pista é se a crítica será experimentada como algo desagradável ou como uma mentira absolutamente catastrófica que aconteceu a nós décadas atrás nas mãos de nossos primeiros cuidadores.

O que se entende por uma ‘infância ruim‘, é uma questão, simplesmente, de amor. Um bebê chega ao mundo com uma capacidade muito limitada para suportar o seu próprio ser.

É a tolerância, entusiasmo e perdão de outra pessoa que gradualmente nos aclimata à existência. A maneira característica de nossos cuidadores de olhar para nós, torna-se a maneira como nós nos consideramos.

É sendo amado por outro que adquirimos a arte de olhar com simpatia para nossos seres críticos e problemáticos. Não é simplesmente nossa responsabilidade em acreditar em nós mesmos por nossa conta.

Somos totalmente dependentes de um sentido interior, de ter sido avaliado de forma desordenada por outra pessoa no início, como uma proteção contra a subsequente negligência do mundo.

Um pouco de amor e atenção é o bastante

Nós não precisamos ser amados por muitos, por um serve. E doze anos podem ser suficientes, dezesseis é o ideal, mas sem isso a eterna admiração de milhões nunca será capaz de nos convencer da nossa bondade.

E com tanto amor, o julgamento de milhões nunca vai precisar ser fatal. Infâncias ruins têm uma tendência infeliz para nos levar a procurar situações em que há uma possibilidade teórica.

Procuramos receber uma aprovação descomunal – que também significa, ao longo do caminho, um alto risco de encontrar desaprovação descomunal.

Pessoas também criticadas por seus próprio passado para poder ser gentil com os outros, e é a essas vozes que aqueles com as infâncias más serão sintonizadas, porém a multidão pode ser entusiasta.

Podemos observar, ao longo do caminho, que a principal marca de ser um bom pai/mãe é que seu filho simplesmente tem zero interesse em ser apreciado por grandes números de estranhos.

Nós não ouvimos a mesma coisa quando somos criticados. Alguns de nós, os sortudos, ouvem apenas a mensagem superficial do aqui e agora: que o nosso trabalho caiu abaixo das expectativas, que devemos nos esforçar mais com nossas tarefas, que nosso livro, filme ou a música não foi excelente.

O reconhecimento interior

Isso pode ser suportável. Mas os mais feridos entre nós ouvem muito mais. A crítica os leva diretamente de volta a lesão primordial.

Um ataque agora se torna entrelaçado com os ataques do passado e cresce e incontrolável em sua intensidade.

Nos sentimos despreparados, na época, na frágil e indefesa mente infantil.

Sabendo mais sobre nossas infâncias difíceis, nos fornece com uma linha vital de defesa contra os efeitos da crítica.

Isso significa que podemos estar em guarda, quando somos atacados, aumentando as apostas desnecessariamente.

Nós podemos aprender a separar o veredito de hoje, do veredito emocional que estamos carregando com a gente e sempre buscando confirmar com o uso dos eventos atuais.

Nós podemos aprender, por mais tristes que sejam os ataques que estamos enfrentando, eles nada são ao lado da verdadeira tragédia e a causa efetiva da nossa tristeza: as coisas erradas naquela época.

Podemos perdoar nós mesmos por sermos, nessa área, não por culpa nossa, emotivos – e, em essência, mentalmente indispostos.

O que podemos fazer?

Não podemos parar os ataques do mundo, mas nós podemos – através de uma exploração das nossas histórias – mudar o que eles significam para nós. Nós também podemos, significativamente, ter uma segunda chance: podemos voltar e corrigir o veredito original do mundo.

Nós podemos tomar medidas para nos expor ao olhar de amigos ou, mais idealmente, de um talentoso terapeuta que pode segurar um espelho mais benigno e nos ensinar uma lição que nos deveria ter sido presenteada desde o início.

Que como todo humano, quaisquer que sejam nossas falhas, nós merecemos estar aqui.

Na Escola da Vida, acreditamos que a confiança é uma habilidade que podemos aprender. Nossos cartões de confiança são projetados para nos ajudar a dominar essa arte misteriosa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.