Perguntas que não tem respostas

Perguntas que não tem respostas.

Em um típico dia na escola, infinitas horas são gastas aprendendo respostas para as perguntas,

mas agora, faremos ao contrário.

Vamos focar em questões que você não pode aprender as respostas, porque elas são desconhecidas.

Eu costumava pensar um monte de coisas quando era garoto, por exemplo: o que, como seria ser um cachorro?

Os peixes sentem dor? E com os insetos? O Big Bang foi apenas um acidente? Existe um Deus?

E se existe, como sabemos que é Ele e não ela?

Por que tantas pessoas e animais sofrem coisas terríveis? Existe um plano para minha vida?

O futuro está para ser escrito, ou já está escrito e apenas não podemos vê-lo? Mas então, eu tenho livre arbítrio? Quer dizer, quem sou eu de qualquer modo?

Sou apenas uma máquina biológica? Mas então, por que sou consciente? O que é consciência? Os robôs serão conscientes um dia? Quer dizer, eu meio que assumi que um dia me dariam respostas para todas estas perguntas.

Alguém deve saber, certo? Adivinha? Ninguém sabe. A maioria dessas questões me confundem agora, mais que nunca.

Mas mergulhar nelas é divertido, porque leva você ao limite do conhecimento, e você nunca sabe o que vai achar lá. Então, duas questões —

Questões que ninguém na terra sabe a resposta.

Algumas vezes estou num voo longo, Olho todas aquelas montanhas e desertos e tento dimensionar na minha cabeça o quanto a terra é grande.

Então me lembro que há um objeto que vemos todos os dias, em que caberiam literalmente mil terras dentro dele: o sol. Parece de uma grandeza impossível.

Mas no grande esquema das coisas, é uma pontinha, umas das 400 bilhões de estrelas na galáxia Via Láctea, que você pode ver numa noite clara, como uma nevoa branca ao longo do céu.

E fica pior. Existem 100 bilhões de galáxias detectadas pelos nossos telescópios. Então se cada estrela fosse do tamanho de um único grão de areia, apenas a Via Láctea teria estrelas suficientes para cobrir um trecho de 9 x 9 metros de praia e noventa centímetros de profundidade com areia.

E o planeta inteiro não tem praias suficientes para representar todas as estrelas do universo. Tal praia continuaria literalmente por centenas de milhões de quilômetros. Segundo Stephen Hawking, é muita estrela.

Mas agora ele e outros físicos acreditam numa realidade que é inimaginavelmente maior. Quer dizer, primeiramente, os 100 bilhões de galáxias ao alcance dos nossos telescópios são provavelmente uma fração minúscula do total.

O próprio espaço está se expandindo num ritmo acelerado. A vasta maioria das galáxias está se separando de nós tão rápido que suas luzes nunca nos alcançarão.

Ainda, nossa realidade física aqui na terra é intimamente conectada com aquelas distantes, invisíveis galáxias. Podemos pensar nelas como parte de nosso universo.

Elas constituem um único edifício gigante, obedecendo os mesmos princípios físicos e feitos dos mesmos tipos de átomos — elétrons, prótons, neutrinos — que fazem você e eu.

Contudo, teorias recentes na física, incluindo uma chamada teoria das cordas, estão agora nos dizendo que poderia haver incontáveis outros universos, construídos de diferentes tipos de partículas, com propriedades diferentes, obedecendo leis diferentes.

A maioria desses universos não poderiam abrigar vida, e devem piscar em flashes de existência num nanosegundo.

Mas, todavia, combinados eles fazem um vasto multiverso de universos possíveis em até 11 dimensões, mostrando maravilhas além de nossa imaginação.

A versão que lidera a teoria das cordas prediz um multiverso feito de 10 elevado a 500 universos. Isso é um seguido de 500 zeros, um número tão vasto que se cada átomo em nosso universo observável tivesse seu próprio universo, e todos os átomos do universo tivessem cada um, seus próprios universos, e você repetisse isso por dois ciclos mais, você ainda teria uma pequena fração do total, Quer dizer, um trilhão, trilhão, trilhão, trilhão, trilhão, trilhão, trilhão trilhão trilhão, trilhão trilhão, trilhão trilhão, trilhão trilhão de trilionésimo.

Mas mesmo esse número é minúsculo comparado com outro número:

Infinito.

Alguns físicos pensam que o contínuo espaço-tempo é literalmente infinito e que contém um número infinito dos assim chamados universos de bolso com propriedades variáveis.

Como vai seu cérebro?

A teoria quântica adiciona uma nova dobra. Quer dizer a teoria tem sido provada para além de toda dúvida, mas interpretar isso é confuso, e alguns físicos pensam que você pode apenas desconfundi-la, se você imaginar que imensos números de universos paralelos estão sendo gerados nesse momento, e muitos desses universos seriam de fato assim como o que estamos, incluiria múltiplas cópias de você.

Em um universo você se formaria com honras e casaria com a pessoa dos seus sonhos, e noutro, nem tanto.

Bem, existem alguns cientistas que diriam, bobagem. A única resposta que faz sentido a pergunta de quantos universos existe é um.

Apenas um universo. E uns poucos filósofos e míticos argumentariam que mesmo o nosso próprio universo é uma ilusão.

Então como você pode ver, agora mesmo não há consenso sobre essa questão, nem mesmo próximo.

Tudo o que sabemos é que a resposta é algo entre zero e o infinito. E Bem, eu acho que nós sabemos uma outra coisa.

Esse é um tempo muito legal pra estudar física. Devemos estar beirando uma grande virada no paradigma do conhecimento que a humanidade jamais viu.

Em algum lugar lá fora no vasto universo deve haver incontáveis outros planetas pulsando com vida.

Mas porque não temos evidência disso? Bem, essa foi uma famosa questão feita por Enrico Fermi em 1950:

Onde está todo mundo?

Teóricos conspiratórios dizem que Ufos estão nos visitando todo o tempo e os relatos têm sido apenas encobertos, mas honestamente, eles não são muito convincentes.

Mas isso deixa a real dúvida. No ano passado, o observatório espacial Kepler achou milhares de planetas junto á estrelas próximas e se você extrapola aqueles dados, parece que poderia haver meio trilhão de planetas, apenas na nossa galáxia.

E se um em 10,000 tivesse condições de suportar formas de vida, isto deixaria ainda 50 milhões de possíveis planetas que abrigam vida, aqui mesmo na Via Láctea.

Então aqui está a resposta:

Nossa terra não se formou até nove bilhões de anos depois do Big Bang. Incontáveis outros planetas devem ter se formado em nossa galáxia antes, e dado à vida chance para seguir por bilhões, ou certamente milhões, de anos antes que acontecesse na Terra.

Se apenas alguns deles geraram vida inteligente e começaram a criar tecnologias, aquelas tecnologias teriam tido milhões de anos para crescer em complexidade e poder.

Na Terra, nós vimos o quanto a tecnologia pode acelerar drasticamente em apenas 100 anos. Em milhões de anos, uma civilização inteligente poderia facilmente espalhar-se pela galáxia, talvez, criando artefatos coletores de energia gigantes ou esquadras de espaçonaves colonizadoras ou gloriosos trabalhos de arte que preencheriam o céu.

E por último, você pensaria que eles revelariam sua presença, deliberadamente ou, de outra forma, através de sinais eletromagnéticos de um tipo ou outro.

E ainda assim não vemos nenhuma evidência convincente disso. Porquê? Bem, existem numerosas possíveis respostas, algumas muito obscuras.

Talvez uma única civilização super inteligente

já tenha tomado conta da galáxia e tenha imposto um silêncio de rádio estrito por causa da paranoia de qualquer competidor em potencial.

Está apenas sentada pronta para obliterar qualquer coisa que se torne uma ameaça. Ou talvez eles não sejam assim tão inteligentes, ou talvez a evolução de uma inteligência capaz de criar tecnologia sofisticada é muito mais rara do que havíamos assumido. Depois de tudo, aconteceu apenas uma vez na terra em quatro bilhões de anos.

Talvez até isso foi uma sorte incrível. Talvez nós somos a primeira civilização de nossa galáxia.

Ou, talvez a civilização carregue consigo as sementes de sua própria destruição através da inabilidade de controlar as tecnologias que cria.

Mas há muito mais respostas mais esperançosas. Para começar, não estamos procurando muito, e temos gasto apenas um pouco de dinheiro nisso.

Apenas uma pequena fração das estrelas na nossa galáxia, tem sido realmente examinada de perto para sinais interessantes.

E talvez não estamos examinando do modo certo. Talvez à medida que as civilizações se desenvolvem, elas rapidamente descobrem tecnologias de comunicação muito mais sofisticadas e úteis que ondas eletromagnéticas.

Talvez toda essa ação ocorra dentro da misteriosa recém descoberta, matéria negra ou energia negra, que parece dar conta da maioria da massa do universo. Ou, talvez, estejamos examinando na escala errada.

Talvez civilizações inteligentes tenham concluído que a vida é em último caso apenas padrões complexos de informação, interagindo uns com outros de modo belo e isso pode ocorrer de forma mais eficiente numa escala menor.

Então, assim como na terra, estéreos têm encolhido para bonitos, pequenos, iPods, talvez, a vida inteligente em si, para reduzir sua pisada ecológica, tornou-se microscópica.

Então o sistema solar deve estar pulsando com vida alienígena e não percebemos. Talvez as próprias ideias e nossas cabeças são uma forma de vida alienígena.

Bem, ok, esse é um pensamento louco. Os alienígenas me fizeram dizê-lo. Mas o legal que as ideias parecem ter vida em si mesmas e elas superam seus criadores.

Talvez vida biológica seja apenas uma fase de passagem. Bem, dentro dos próximos 15 anos, poderemos começar a ver informação espectroscópica real de promissores planetas próximos que revelarão o quão amigáveis são para a vida.

E enquanto isso, SETI, Procura por Inteligência Extra Terrestre, está publicando seus dados assim milhões de cientistas, talvez incluindo você, podem trazer o poder das massas para ingressar na busca.

E aqui na terra, experimentos incríveis estão sendo feitos para criar vida do zero, vida que deveria ser bem diferente das formas de DNA que conhecemos.

Isso nos ajudará a entender se o universo está vibrando com vida ou se, de fato, somos apenas nós.

Seja qual for a resposta, ao seu próprio modo, é inspiradora, porque mesmo se estivermos sozinhos, o fato de pensarmos e sonharmos estas questões acabe sendo um dos mais importantes fatos sobre o universo.

E eu tenho mais algumas boas notícias para você. A busca por conhecimento e compreensão nunca fica chata.

Nunca. De fato, é o oposto. Quanto mais você sabe, mais incrível o mundo parece. E são as possibilidades malucas, as perguntas não respondidas, que nos empurram para a frente.

Então permaneça curioso.