Conheça 4 aspectos da solidão

Todo mundo se sente solitário de vez em quando. Quando não temos ninguém para sentar conosco no almoço… quando nos mudamos para uma cidade nova… ou quando ninguém tem tempo para nós no final de semana.

Mas nas últimas décadas, esse sentimento ocasional, tornou-se crônico para milhões de pessoas.

No Reino Unido, 60% das pessoas de 18 a 34 anos dizem que se sentem solitárias com frequência.

Nos EUA, 46% de toda a população se sente solitária regularmente. Estamos vivendo a época mais conectada da história humana.

E, mesmo assim, uma quantidade sem precedentes de nós se sente isolada. Estar solitário e estar sozinho não são a mesma coisa.

Você pode se sentir feliz sozinho e odiar cada segundo cercado de amigos. A solidão é uma experiência puramente subjetiva e individual.

Se você se sente solitário, você está solitário. Um estereótipo comum é que a solidão só aflige pessoas que não sabem conversar… ou como se comportar perto de outras pessoas.

Mas estudos populacionais mostraram que habilidades sociais quase não fazem diferença para adultos…quando falamos de conexões sociais.

A solidão pode afetar todo mundo:

Dinheiro, fama, poder, beleza, habilidades sociais, personalidade forte… Nada pode te proteger contra a solidão…porque ela é parte da sua biologia.

1 O QUE É A SOLIDÃO?

A solidão é uma função corporal, como a fome. A fome faz você prestar atenção nas suas necessidades físicas.

A solidão faz você prestar atenção nas suas necessidades sociais. Seu corpo se preocupa com as suas necessidades sociais…porque há milhões de anos, elas eram um ótimo indicador da sua probabilidade de sobrevivência.

A seleção natural recompensou nossos ancestrais por colaborarem…e por formarem conexões entre si.

Nossos cérebros cresceram e se aperfeiçoaram para reconhecer o que os outros pensavam e sentiam…e para formar e sustentar laços sociais.

Ser sociável se tornou parte da nossa biologia. Você nasce em grupos de 50 a 150 pessoas… …com as quais você permanecerá, geralmente, pelo resto da sua vida.

Alimentar-se, manter-se seguro, ou cuidar dos filhos era praticamente impossível sozinho. Estar junto significava sobrevivência.

Ficar sozinho significava morte. Então era crucial que você se desse bem com os outros.

Para os seus ancestrais, a ameaça mais perigosa à sobrevivência não era ser comido por um leão…mas não fazer parte das condições sociais do seu grupo e ser excluído.

Para evitar isso, seu corpo criou a “dor social”. A dor desse tipo é uma adaptação evolutiva à rejeição:

Um tipo de sistema de alerta que o leva a interromper comportamentos que o isolariam. Os seus ancestrais que passavam pela rejeição de maneira mais dolorosa…tinham mais chances de mudar seu comportamento e, assim, permanecer na tribo…enquanto os outros eram expulsos e provavelmente morriam.

É por isso que a rejeição machuca. E, ainda mais, é por isso que a solidão é tão dolorosa. Esses mecanismos que nos mantinham conectados…funcionaram bem durante a maior parte da nossa história. Até que os humanos começaram a construir um novo mundo para si mesmos.

2 A DESVANTAGEM DO MUNDO MODERNO

A epidemia de solidão que vemos hoje só começou no final da Renascença. A cultura Ocidental começou a focar no individual.

Os intelectuais se afastaram do coletivismo da Idade Média…enquanto a recente teologia Protestante enfatizava a responsabilidade individual.

Essa tendência acelerou durante a Revolução Industrial. As pessoas deixaram suas aldeias e os campos para entrar em fábricas.

As comunidades que existiram por centenas de anos começaram a se dissolver…enquanto as cidades cresciam.

Conforme nosso mundo se modernizava rapidamente, essa tendência acelerou cada vez mais.

Hoje percorremos longas distâncias por novos empregos, relacionamentos e educação, deixando nossa rede social para trás.

Nós encontramos menos pessoas pessoalmente…e as encontramos com menos frequência que antigamente.

Nos EUA, o número médio de amigos próximos caiu de 3 em 1985, para 2 em 2011. A maioria das pessoas se depara com a solidão crônica por acidente.

Você chega à idade adulta e fica ocupado com o trabalho, estudos, romances, filhos e Netflix.

Simplesmente não há tempo o suficiente.

A coisa mais conveniente e fácil de sacrificar é o tempo com os amigos. Até que você acorda um dia e percebe que se sente isolado…e que anseia por relacionamentos próximos.

Mas é difícil encontrar conexões íntimas quando adultos…e, assim, a solidão pode se tornar crônica.

Enquanto os humanos se orgulham de coisas como iPhones e naves espaciais…nossos corpos e mentes são basicamente os mesmos que eram há 50 mil anos. Ainda estamos biologicamente sintonizados para estar um com o outro.

3 COMO A SOLIDÃO MATA

Estudos em larga escala mostraram que o estresse relacionado à solidão crônica…está entre as coisas menos saudáveis que podemos sentir como seres humanos.

Faz você envelhecer mais rápido, torna o câncer mais letal…acelera o Alzheimer e torna seu sistema imunológico mais fraco.

A solidão é duas vezes mais letal que a obesidade…e tão letal quanto fumar um maço de cigarros por dia.

O detalhe mais perigoso é que, uma vez que a solidão se torna crônica…ela pode se tornar autossuficiente.

As dores físicas e sociais usam mecanismos comuns em seu cérebro. Ambas são interpretadas como ameaças…e, por isso, a dor social leva a um comportamento imediato e defensivo quando é infligida sobre você.

Quando a solidão se torna crônica…seu cérebro entra em modo de autopreservação. Ele passa a enxergar perigo e hostilidade em todo lugar. Mas não é só isso.

Estudos descobriram que quando você está solitário, seu cérebro fica mais receptivo para sinais sociais…enquanto, ao mesmo tempo, ele passa a ter mais dificuldade em interpretá-los corretamente.

Você presta mais atenção nos outros…mas os entende menos. A parte do seu cérebro que reconhece rostos perde sua eficiência…e se torna mais propensa a categorizar rostos neutros como hostis…o que te deixa mais desconfiado dos outros.

A solidão faz você assumir a pior das intenções dos outros em relação a você. Por causa dessa percepção de um mundo hostil…você pode se tornar mais egoísta para se proteger…o que pode te fazer parecer mais frio, menos amigável e mais socialmente desajustado do que realmente é.

4 O QUE PODEMOS FAZER SOBRE ISSO?

Se a solidão se tornou uma presença forte na sua vida…a primeira coisa que você pode fazer é tentar reconhecer o ciclo vicioso em que pode estar preso. Geralmente é algo assim:

Um sentimento inicial de isolamento te leva a sentir tensão e tristeza…o que te faz focar sua atenção seletivamente em interações negativas com os outros.

Isso torna seus pensamentos sobre si mesmo e sobre os outros mais negativos…o que, então, muda seu comportamento. Você começa a evitar interações sociais…o que faz você se sentir ainda mais isolado.

Esse ciclo se torna mais severo…e mais difícil de fugir com o tempo. A solidão faz você se sentar longe dos outros na sala de aula…não atender o celular quando os amigos ligam… e recusar convites até que os convites param.

Cada um de nós tem uma história própria…e se a sua história começa a mostrar que as pessoas te excluem…outros percebem isso e assim o mundo pode se tornar aquilo que você pensa dele.

Normalmente é um processo lento que se arrasta por anos…e por levar à depressão e um estado mental que impede conexões mesmo que você anseie por elas.

A primeira coisa que você pode fazer para escapar…é aceitar que a solidão é um sentimento totalmente normal…e nada do que se envergonhar.

Literalmente, todo mundo se sente solitário em algum momento da vida. É uma experiência humana universal. Você não pode eliminar ou ignorar um sentimento até que ele desapareça magicamente…mas você pode aceitar o que você sente e se livrar da sua causa.

Você pode tentar entender qual é o foco da sua atenção…e verificar se você está se concentrando seletivamente em coisas negativas. Essa interação com um colega foi realmente negativa…ou foi realmente neutra ou até mesmo positiva?

Qual foi o conteúdo real da interação? O que a outra pessoa disse? A outra pessoa disse algo ruim…ou você adicionou um significado a mais nas palavras delas?

Talvez a outra pessoa não tenha reagido negativamente de verdade…, mas apenas com pressa.

Então, há as suas ideias em relação ao mundo. Você está assumindo o pior sobre as intenções dos outros? Você entra em uma situação social e já decide como ela vai acontecer? Você assume que os outros não te querem por perto?

Você está tentando evitar ser machucado e não arriscando se abrir? E se sim…você consegue tentar dar aos outros uma oportunidade? Você consegue apenas presumir que eles não estão contra você?

Você consegue arriscar se abrir e se tornar vulnerável outra vez? E por último, seu comportamento. Você está evitando oportunidades de estar com os outros? Você fica procurando por desculpas para recusar convites? Ou você se afasta os outros preventivamente para se proteger?

Você age como se estivesse sendo atacado? Você realmente busca novas conexões ou se conformou com sua situação? É claro que cada pessoa e situação é única e diferente…e talvez apenas a introspecção não seja suficiente.

Se você se sente incapaz de resolver a sua situação sozinho…Por favor, tente buscar ajuda profissional. Não é um sinal de fraqueza, mas de coragem.

Não importa como encaramos a solidão, seja como um problema puramente individual…que precisa ser resolvido em prol da felicidade pessoal, seja como uma crise de saúde pública.

É algo que merece mais atenção. Os humanos construíram um mundo que é surpreendente…

…e, no entanto, nenhuma das coisas brilhantes que fizemos…é capaz de satisfazer ou substituir nossa fundamental necessidade biológica de conexão.

A maioria dos animais obtém o que precisam do ambiente físico. Nós obtemos o que precisamos uns dos outros…e precisamos construir nosso mundo artificial com base nisso. Vamos tentar algo juntos:

Vamos entrar em contato com alguém hoje. Não importa se você se sente meio solitário…ou se você quer fazer o dia de alguém melhor.

Que tal escrever pra um amigo com quem você não fala há algum tempo? Ou ligar para um membro da família que se afastou? Ou convidar um amigo do trabalho para um café?

Ou apenas fazer algo que você normalmente tem medo ou preguiça de ir, como um evento de vídeo games ou um clube de esportes? Todo mundo é diferente, então você sabe o que é uma boa para você.

Talvez não dê em nada, e tudo bem. Não faça isso com expectativas. O objetivo é apenas se abrir um pouco…e exercitar seus músculos de conexão, para que eles possam se fortalecer com o tempo…ou para ajudar outras pessoas a exercitá-los.