APÓS A PANDEMIA, OS BRASILEIROS QUEREM RETOMAR SUAS ATIVIDADES NAS IGREJAS

Após a pandemia, os brasileiros querem retomar suas atividades nas Igrejas

Os brasileiros estão ansiosos para voltar regularmente a essas igrejas, de acordo com um estudo realizado até julho e publicado recentemente pela empresa responsável.

A descobriu-se que para os adultos, voltar a frequentar os cultos é prioridade inegociável, bem como a diferença de faixas etárias.A margem de erro, dada pela pesquisa, é de 2,6%, ou seja, 1.455 pessoas.

34,5% das pessoas com idades entre 40 e 49 anos disseram que sua prioridade no pós-pandemia é o retorno regular às atividades nas igrejas, enquanto acima dos 50 anos, essa é a intenção de 33,1% dos entrevistados durante os dias 08 e 27 de julho.

Nos dias 08 e 27 de julho, 33,1% das pessoas acima de 50 anos, em comunidades de 40 a 49 anos relataram que sua prioridade é retornar às atividades em suas Igrejas, urgentemente, e de forma regular,  pós-pandemia, dentro de duas décadas.

Em segundo lugar na lista de prioridades está o turismo, com 17,8% declarando o desejo de viajar em cenário normal, seguido por informações   do jornal Correio Braziliense.

O sociólogo Fábio da Silva Gomes, que coordena e conduz a pesquisa, afirma que o estudo dá um retrato do contingente dos Cristãos no Brasil: principalmente gente da classe trabalhadora.

O Sociólogo afirmou que era natural que as pessoas tivessem o desejo de retornar às congregações, e que essa comunidade seria prioritária na maior parte do país: “Estamos muito preocupados com os 90% da população brasileira que é majoritariamente católica e evangélica, e têm idades, acima dos 50 anos.” Óbvio que têm jovens, mas não na mesma proporção do total da população”.

Entre outras prioridades, reviver atividades como teatro e shows é uma prioridade,da comunidade dos 30 anos, relata a pesquisa.

Entre 20 a 29 anos, a porcentagem é de 14,6% e a mesma proporção é vista entre os jovens abaixo de 19 anos.

A maioria dos jovens planeja ir a shopping centers e shows populares.

É uma questão de interesse, o que mais fez falta durante a pandemia”, acrescentou o sociólogo e pesquisador.

Uma das entrevistadas pela pesquisa foi a jovem Byanca Carvalho de Souza, 20 anos, que destoou da maioria, já que elencou a volta à igreja, academia e viagens como suas atividades prioritárias no cotidiano pós-pandemia.

Uma jovem entrevistada nesta pesquisa, Byanca Carvalho de Souza, 20, destoou da maioria, que optou por retornar à igreja, academia e viagens como suas principais atividades após a pandemia.

“São ambientes com ações que me fazem pensar que é possível viver normalmente mesmo diante de uma pandemia”.Sua preocupação era não desanimar e continuar a viver.

A possibilidade de ver a maior parte das pessoas imunizadas contra a covid-19 é um panorama que cativa à estudante: “apesar da falésia não estar totalmente ausente, há menos segurança para mais pessoas devido às vacinas e aos cuidados.

De acordo com o valor da renda, aqueles com menor poder aquisitivo priorizam ir à igreja: 31,8% dos entrevistados com pelo menos dois salários mínimos priorizam volta e missas, enquanto 27,4% daqueles com renda acima de 10 salários mínimos priorizam viagens de longa distância.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.