A ascensão dos cursos universitários on-line gratuitos

Dizer que frequentar a faculdade é um processo caro é um eufemismo. Em 2012, acredita-se que a dívida estudantil total nos Estados Unidos tenha ultrapassado US$ 1 trilhão. Em 2011, o New York Times informou que a dívida média dos alunos era de aproximadamente US$ 26.500 e os cursos universitários on-line não são muito mais baratos. No entanto, o advento de cursos universitários online gratuitos, também conhecidos como MOOCs (Massive Open Online Courses), pode mudar a cara da educação para sempre.

Começou como uma experiência, mas todos os sinais apontam para um enorme sucesso, com um grande número de universidades públicas preparadas para oferecer MOOCs a qualquer pessoa que se inscreva na esperança de que muitos dos participantes passem no curso; matricular-se na faculdade e pagar as propinas normais. Em um país onde um diploma em estudos religiosos e femininos em uma universidade de prestígio pode custar até US$ 100.000, os MOOCs podem abrir o mundo da educação aos estudantes. Por que as faculdades estão interessadas em oferecer esses cursos de degustação gratuitos? Muitas faculdades americanas estão endividadas e precisam de algum método para atrair mais alunos.

Crescimento de um fenômeno?
A University of Arkansas, a University of Cincinnati e a Arizona State são apenas três das respeitadas faculdades envolvidas no plano. O crescimento dos MOOCs realmente aumentou em 2012, quando startups como Udacity e edX vieram à tona e ofereceram esperança para aqueles que anteriormente não podiam pagar pela educação. Esses cursos foram fundados por professores das melhores escolas, como Stanford e Harvard, com milhões de pessoas em todo o mundo aceitando a oferta dos professores.

Nesta fase, pergunta-se se os MOOCs podem um dia substituir os diplomas universitários. Se este fosse o caso, faria uma diferença profunda para um número incrível de estudantes em potencial. Uma questão era que as faculdades não estavam dando crédito para MOOCs, mas até isso parece prestes a mudar. Várias universidades na Áustria e na Alemanha estão dando crédito por MOOCs e isso pode se espalhar para instituições educacionais americanas, já que o estado do Colorado fez barulho sobre seguir o exemplo de seus colegas europeus. A Universidade de Washington também está considerando esse curso de ação, embora os alunos da faculdade precisem pagar uma taxa e fazer um trabalho extra com um professor da instituição se for adiante com o plano.

O futuro dos MOOCs
Esses cursos on-line gratuitos não são mais uma novidade e continuarão sendo usados ​​como uma ferramenta para incentivar futuros alunos a se matricularem em uma universidade. A Universidade do Texas, em Arlington, se uniu à Academic Partnerships para oferecer cursos universitários on-line gratuitos para futuros estudantes de enfermagem. Até o momento, mais de 80% dos que aceitaram a oferta gratuita retornaram e pagaram o curso presencial. Se nada mais, os MOOCs oferecem aos alunos a opção de ‘experimentar antes de comprar’, um recurso valioso quando os cursos são tão caros. Cursos universitários on-line gratuitos podem representar uma ameaça à educação tradicional, mas se essas instituições encontrarem uma maneira de utilizar os MOOCs a seu favor, como a Universidade do Texas, dar algo de graça pode se tornar muito lucrativo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.